sábado, 30 de março de 2013

Marmita chique: quem vai querer?


Fazer refeições fora de casa é sempre uma opção de entretenimento e gastos extras. Como tudo que vira rotina fica chato, nem sempre é legal comer em restaurantes todos os dias, e daí, optar pela marmita pode ser uma solução para esses problemas.

Segundo nutricionistas, existem vários benefícios em fazer refeições através de marmitas, pois elas agregam economia e saúde. Especialistas financeiros garantem que comer fora de casa fica 10% mais caro em cada ano, e optar pelas quentinhas pode oferecer uma diminuição relevante nos gastos extras.

Conversando com o chef Lúcio Mauro de Oliveira, da Marmittaria Chef, ele alega que sergipanos estão valorizando o trabalho dele e consumindo cada vez mais. Técnico em Cozinha pelo Grande Hotel Escola Senac Águas de São Pedro de São Paulo, ele é graduado em Hotelaria pela Anhembi Morumbi, tem Pós-graduação em Padrões Gastronômicos, já realizou diversos cursos na área, lecionou em faculdades sergipanas e, agora, dedica-se ao negócio de fornecimento de marmitas e consultoria gastronômica. "Sou consultor gastronômico de buffets da cidade, além de restaurantes, bares e lojas de conveniência. Como não consigo ficar fora da sala de aula, sou professor de cursos gourmets no Studio Gourmet e tenho me dedicado cada vez mais às minhas marmitas, que possuem um toque especial para quem ainda come em casa", afirma Lúcio, que procura reinventar receitas e sair do trivial.

Para o Oxente Chique, ele conta segredos gastronômicos, dá dicas de sucesso e de como consegue aliar paixão, trabalho e alta gastronomia.

Oxente Chique - Como você veio parar em Aracaju?
Lúcio Mauro de Oliveira -
Estava meio cansado da vida de São Paulo e, como minha cunhada se mudou para cá, acabei vindo conhecer a cidade com minha família. Gostamos tanto daqui, que resolvemos investir em um negócio na área de alimentação, que acabou não dando certo, mas abriu um leque de grandes oportunidades.

OC - Como surgiu a oportunidade de ensinar? Você gosta dessa área de aliar teoria e prática?
LM -
Estive à frente dos dois cursos de gastronomia do Estado. Hoje, lamentavelmente, não estou ensinando mais, porém, lecionar é uma grande paixão e requer muita dedicação. O bom dessa arte de transmitir experiências para futuros colegas de profissão é a gente enxergar resultados. Trabalhar com gastronomia, mexer com os instintos, mostrar novos ingredientes, sabores e aromas é muito prazeroso. Como gosto desse negócio de sala de aula, ainda ofereço cursos e pretendo fazer um espaço para aulas e treinamentos.

OC - E como surgiu a ideia de produzir marmitas? Como é feito o cardápio?
LM -
Estava buscando um negócio que pudesse ficar na frente e que desse a liberdade do jeito que acredito. Poder fazer minhas criações, pratos clássicos com técnica e carinho. Observando o mercado, percebi que o consumo de marmitas no Estado é grande, porém, a maioria seguia no mesmo padrão de fornecimento e, por isso, decidi montar a minha com um formato diferenciado, ou seja, o cardápio muda semanalmente.

OC - Hum..Está dando água na boca. Fale da produção dos pratos. Sobre os critérios de ingredientes e preparo.
LM -
Procuro usar produtos frescos comprados no mercado local, não uso nenhum tipo de tempero industrializado e todos os molhos são feitos por nossa equipe. Nossos pratos variam de pratos triviais a bobó de camarão, coq au vin e macarrão com molho funghi. Estou feliz com a aceitação dos clientes e com a propaganda boca a boca.

OC - Com tanta dedicação e um cardápio diferenciado, não tem como o cliente pagar pouco. Em média, custa quanto comer a marmita preparada por um chef?
LM -
O fornecimento quinzenal da marmita para um casal custa R$340 e mais R$30 da entrega, mas se quiser, o cliente tem a opção de retirar no local.

OC - O sergipano ainda tem o hábito de comer em casa, mas nem sempre tem tempo de ir à cozinha preparar. Como está sendo a aceitação?
LM -
A aceitação está bacana, começamos em novembro e estamos aumentando o número de clientes consideravelmente.

OC - De onde vem a inspiração na hora de produzir delícias? Você alia satisfação com saúde?
LM -
Gosto que meus clientes acompanhem a produção do meu trabalho e opinem. Minha inspiração vem desse contato e da minha experiência de mais de14 anos na gastronomia, de muita pesquisa e, acima de tudo, do amor pela área.

OC - Nessa busca pelo corpo perfeito, as pessoas estão se preocupando em se alimentar de maneira mais saudável. Como você se posiciona?
LM -
Não uso o rótulo ligth, mas costumo colocar legumes e saladas como acompanhamentos. Faço pouco uso da fritura e abomino os condimentos industrializados. Uso ervas, vegetais e especiarias nos pratos, mas tenho planos de lançar uma linha para pessoas que têm restrições alimentares.

OC - Vi que gosta muito daqui e não pretende sair, pois está numa fase maravilhosa. Como você enxerga o mercado da Gastronomia em Sergipe?
LM -
Moro aqui há sete anos e já vi muita mudança. O crescimento do setor é evidente e o perfil do consumidor também está mudando, mas ainda falta a valorização do profissional de gastronomia e o amadurecimento de alguns empresários do setor. Para isso, é uma questão de tempo.
 
Por - Rafaella Vieira

5 comentários:

  1. Passa o contato dele Rafa, please!

    ResponderExcluir
  2. Qual o contato do Marmittaria Chef?

    ResponderExcluir
  3. Sou cliente da Marmittaria e posso afirmar que a comida é mesmo muito boa.

    Os contatos de Lúcio são:
    luciomauro31@yahoo.com.br
    79-30414843 e 79-99578822
    Perfil no facebook:
    http://www.facebook.com/pages/Marmittaria-do-Chef/154484201360700

    Um abraço.
    Priscilla

    ResponderExcluir